top of page
Botton40mm.png

BLOG

De resíduo orgânico a adubo

Compostagem já se tornou uma prática comum também nas grandes cidades


Acelerar o processo biológico de decomposição de restos de frutas, verduras e legumes para a obtenção de adubo para ser empregado em jardins, vasos e hortas. Assim, podemos resumir a compostagem. Em um primeiro momento, a prática costuma parecer bastante complexa. Afinal, para ser corretamente realizada são necessários local apropriado e disciplina para separar os resíduos orgânicos e para manusear o composto regularmente.


Mas, hoje, já existem alguns equipamentos que auxiliam o desenvolvimento da atividade, além de programas que visam a conscientização e a propagação da reciclagem orgânica. Para incentivar a prática, a Prefeitura do município de São Paulo, SP, lançou projeto para distribuição de composteiras domésticas, em parceria com as concessionárias do serviço de limpeza urbana da cidade e executado pela Morada da Floresta Soluções Ecológicas.


Em 40 dias de inscrições, foram mais 10 mil interessados, 7% dos inscritos são pessoas ligadas às áreas da arquitetura e engenharia, essa ação ajudou a fomentar soluções domésticas nos novos projetos arquitetônicos da cidade. Foram distribuídas 2 mil composteiras e durante o projeto houve mudanças comportamentais dos envolvidos em relação ao descarte de resíduos, alimentação e saúde, práticas comunitárias e plantio urbano.


Entre as propostas, estão o desenvolvimento de metodologias para a multiplicação da prática, reduzir o material destinado aos aterros, promover hábitos alimentares mais saudáveis, impulsionar o descarte adequado de outros resíduos, além de estimular hortas urbanas. Segundo dados da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública (Abrelpe), os resíduos orgânicos correspondem a 51,4% do lixo domiciliar. Na cidade de São Paulo, são geradas 5 mil toneladas de lixo orgânico por dia.


Os resíduos orgânicos depositados nos aterros sanitários ocupam enorme volume e atraem animais transmissores de doença. Além disso, a decomposição contamina o solo e gera gases responsáveis pelo efeito estufa (GEE). Porém, se compostados, os orgânicos transformam-se em adubo natural e ajudam o meio ambiente, já que deixam de ir aos aterros. Com empenho, a compostagem torna-se parte da rotina das famílias.


Verdejantes

A composteira fornecida pela Morada da Floresta, chamada também de minhocário doméstico, é constituída por três caixas plásticas modulares e empilháveis - duas são digestoras e a outra armazena o líquido resultante do processo. As caixas digestoras são furadas no fundo para facilitar o fluxo das minhocas e do composto líquido, e também nas laterais para aumentar a oxigenação do sistema.


A caixa coletora possui uma torneira para facilitar a retirada do composto líquido. Os kits são acompanhados de minhocas, que aceleram o processo de compostagem, e devem ficar em local arejado e protegido do sol e da chuva. O espaço necessário é de 40 x 60cm. Cada modelo doméstico tem capacidade para reciclar de um a dois quilos de resíduos orgânicos por dia e pode reduzir à metade o volume gerado por uma família. As composteiras são comercializadas em seis tamanhos pelo site www.moradadafloresta.org.br.



Acompanhe as etapas do processo da composteira Morada da Floresta

Resíduos orgânicos: cascas de frutas, restos de verduras e legumes, borra de café, filtro de café usado, iogurte, guardanapo, restode leite, sachês de chás.

Material seco: cascalho de árvore, serragem, folhas secas, grama, palha de milho.

Fase 1: colocar resíduos orgânicos misturando e cobrindo completamente com matéria vegetal seca, até encher o recipiente.

Fase 2: alternar as duas primeiras caixas. Enquanto uma é preenchida, na outra ocorre a compostagem com as minhocas transformando os resíduos orgânicos em húmus. Após o manejo, o composto deve ser retirado para abrir espaço para dar início a um novo processo. Enquanto a decomposição ocorre, um líquido rico em nutrientes e livre de bactérias escorre para a caixa da base, onde fica armazenado, podendo ser coletado para ser pulverizado nas plantas, servindo de adubo e pesticida natural. Atenção, se ocorrer cheiro, deve-se verificar a existência de algum problema, pois alguma etapa pode ter sido executada de forma errada.


Post retirado da edição 140 da revista Paisagismo & Jardinagem, quer conhecer mais?








48 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page